Home / CASOS PERICIAIS >> VEJA TODOS / Crime da 113 Sul: perito que identificou digitais de Adriana Villela na cena do crime presta depoimento

Crime da 113 Sul: perito que identificou digitais de Adriana Villela na cena do crime presta depoimento

Por Aline Ramos* e Geraldo Becker, G1 DF e TV Globo

27/09/2019 13h15  


Quinto dia de julgamento de Adriana Villela  — Foto: TV Globo/Reprodução

Quinto dia de julgamento de Adriana Villela — Foto: TV Globo/Reprodução

O Tribunal do Júri ouviu, na manhã desta sexta-feira (27), a última testemunha de acusação do processo contra Adriana Villela. O perito papiloscopista Rodrigo Menezes de Barros, da Polícia Civil do Distrito Federal, é responsável pelo laudo que aponta a presença da digital de uma das mãos da arquiteta na cena do crime.

Esse é o dia mais esperado do julgamento, segundo os promotores, pois o documento apresentado vai contra o depoimento da acusada. O Ministério Público afirma que essa é “a prova de que Adriana Villela mentiu” ao dizer que não esteve no apartamento dos pais quando eles foram mortos.

A defesa de Adriana Villela afirma que o laudo não tem metodologia comprovada (veja detalhes abaixo).

Perito da PCDF apresentou laudo que aponta digitais de Adriana Villela na cena do crime — Foto: TV Globo/Reprodução

Perito da PCDF apresentou laudo que aponta digitais de Adriana Villela na cena do crime — Foto: TV Globo/Reprodução

O caso foi em 2009 e ficou conhecido como “crime da 113 Sul“. Na época, foram mortos o pai dela, José Guilherme Villela – ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – a mãe, Maria Carvalho Mendes Villela, e a empregada doméstica da família, Francisca Nascimento da Silva.

No depoimento, o papiloscopista usou apresentações no computador para explicar com o laudo foi feito. O método, desenvolvido em parceria com Universidade de Brasília (UnB), aproveitou as digitais colhidas na cena do crime, em 2009. Um ano após os assassinatos, o perito fez outro procedimento.

Investigação

Em agosto de 2010, acompanhado de uma equipe e de Adriana Villela, o perito papiloscopista foi até o apartamento das vítimas para colher possíveis evidências.

Ele reproduziu as condições climáticas da época, usou a mesma técnica de recolhimento das impressões digitais e realizou um novo exame.

O advogado de acusação disse que a perícia identificou digitais de uma das mãos de Adriana Villela na porta do armário do escritório, onde foi encontrado o corpo de Maria Villela, mãe da acusada.

Adriana Villela chega ao Tribunal de Justiça no 5º de julgamento — Foto: TV Globo/Reprodução

Adriana Villela chega ao Tribunal de Justiça no 5º de julgamento — Foto: TV Globo/Reprodução

Ainda de acordo com a promotoria, Adriana disse que tinha ido ao apartamento dos pais, pela última vez, no dia 13 de agosto de 2009, quinze dias antes do crime, o que, nas palavras do promotor, não é verdade.

O resultado da investigação foi comparado com as digitais colhidas na época do crime, e o laudo aponta compatibilidade da impressão digital de Adriana Villela, de três a nove dias dentro período dos assassinatos. Segundo o papiloscopista, o exame tem 95% de confiança.

O que diz a defesa

A defesa de Adriana Villela afirma que o laudo não tem metodologia comprovada, e trouxe dois peritos do Instituto de Criminalística de São Paulo e do Distrito Federal para apontar as falhas do laudo.

Durante a sessão, a defesa também leu cartas que foram trocadas entre mãe e filha, para mostrar o carinho e a boa relação que Maria Villela tinha com Adriana.

Maria Carvalho Mendes Villela e José Guilherme Villela, mortos em 2009 em apartamento na Asa Sul — Foto: Arquivo pessoal

Maria Carvalho Mendes Villela e José Guilherme Villela, mortos em 2009 em apartamento na Asa Sul — Foto: Arquivo pessoal

O que está em jogo

Adriana Villela, de 55 anos, é ré por triplo homicídio em um processo com mais de 20 mil páginas. No dia do crime, no sexto andar do bloco C da 113 Sul, quadra nobre de Brasília, foram assassinados:

  • o pai dela, José Guilherme Villela, 73 anos, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com 38 facadas;
  • a mãe dela, Maria Carvalho Mendes Villela, 69 anos, advogada, com 12 facadas;
  • a empregada doméstica da família, Francisca Nascimento da Silva, 58 anos, com 23 facadas.

Adriana sempre negou todas as acusações. A defesa dela argumenta que o “processo é uma distorção psicológica feita pelo Ministério Público”. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, alega que uma “linha do tempo” feita pela defesa comprova todos os passos da acusada no dia do crime.

Já o MP sempre disse ter convicção de que Adriana esteve na cena do crime e foi a mandante dos três assassinatos. Para a acusação, o laudo comprova a presença de impressões digitais dela em um dos cômodos do apartamento da família.

Verifique Também

Polícia Civil apresenta prisão de um dos suspeitos de assalto a joalheria em Boa Viagem

O outro suspeito identificado, Alexandre dos Santos Barros, aparece nas imagens usando a farda dos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *